Rede de Divulgação


Voltar

Dez dicas para as pequenas e médias empresas enfrentarem o momento de crise

CEO da Finplace explica como o empreendedor pode conseguir crédito para pagar seus funcionários, adiar contas, encontrar novas oportunidades de mercado e até planejar o cenário para o pós-crise

São Paulo | 13/05/2020

Os micro e pequenos empreendedores representam um setor extremamente importante para a economia brasileira, pois respondem por 99% das empresas do país, gerando mais da metade dos empregos com carteira assinada no Brasil, segundo dados do Sebrae. E o cenário atual de pandemia, com a necessidade de isolamento social e fechamento de grande parte do comércio, gera grande preocupação entre as pequenas e médias empresas.

Como enfrentar um cenário tão desafiador? Em momentos de crise, a primeira coisa a fazer é manter a calma e adotar medidas para minimizar o impacto. Para ajudar as pequenas empresas a enfrentar esse cenário, Felipe Avelar, CEO da fintech Finplace, reuniu 10 ações que podem ser úteis. 

1)      Fazer diferente – Toda crise também traz oportunidades. Vale pensar em qual necessidade é possível suprir de forma alternativa, questionar: “meu negócio só existe se eu tiver uma loja física aberta? Tenho como aderir ao e-commerce ou fazer entregas na minha região?” Há restaurantes em São Paulo, por exemplo, que fecharam seus salões e estão faturando com o serviço de delivery...

2)      Abracar a Internet – Dentro desse espírito, quem é professor, terapeuta, etc., pode pensar e em formas de oferecer o  trabalho via internet. Um professor de inglês ou um personal trainner, por exemplo, podem muito bem manter seus alunos dando aulas virtuais. E quem vende produtos pode começar a vender pelas redes sociais e até por WhatsApp.

3)      Adiar contas – É importante ficar atento às contas que podem ser adiadas para equilibrar seu caixa. O Comitê Gestor do Simples Nacional, por exemplo, prorrogou o prazo para pagamento dos tributos federais do Simples. Em relação aos bancos, micro e pequenas empresas e pessoas físicas que possuem empréstimos e estejam com as prestações em dia podem solicitar a prorrogação da parcela por até 60 dias, com a mesma taxa de juros e sem a cobrança de multa. E também é possível adiar prestações do financiamento imobiliário.

4)      Renegociar  dívidas e buscar financiamento – Entrar em contato com fornecedores, parceiros, prestadores de serviços diretos e indiretos e renegociar  dívidas é importante. E vale fazer o mesmo com alguns clientes... Quanto aos gastos mais urgentes, como o pagamento de funcionários, é preciso buscar crédito com melhores taxas. O governo, por exemplo, anuncio uma linha de crédito de R$ 40 bilhões para financiar a folha de pagamento de pequenas e médias empresas, com juros de 3,75% ao ano.

5)      Colocar o controle de gastos e receitas em dia – Muitos pequenos empresários levam seus negócios de uma forma um tanto quanto improvisada, sem exercer um controle detalhado dos custos e receitas. É hora de aproveitar o tempo disponível para mapear todas as  despesas e cortar todos os custos desnecessários. E aproveitar para rever os processos, descobrir onde se perde mais tempo normalmente e o que pode ser feito para aumentar a produtividade.

6)      Entender as dores de seus parceiros – Contatar parceiros e clientes e tentar se aproximar deles, entendendo suas dificuldades. Ao entender as dores, deles, conseguimos vislumbrar novas oportunidades de negócios, além de colocar o networking em dia.

7)      Ouvir o time – Aproveitar o momento para fazer contato com os colaboradores para entender o melhor jeito de operar é muito importante. Afinal, eles estão na linha de frente do  negócio e conhecem aspectos da operação que o dono do negócio provavelmente desconhece. E podem ter novas ideais para revigorar a empresa.

8)      Não baixar a guarda! – Se o negócio continua funcionando, é preciso aumentar a higienização de superfícies de contato frequentes, como maçanetas, mesas e corrimãos, além de manter os ambientes arejados, com portas e janelas abertos, evitando aglomerações. Isso é importante para garantir a saúde e dos colaboradores e clientes.

9)      Preferência para o comércio local – Na hora das compras é importante dar preferência ao comércio local e de pequenas empresas, que são mais vulneráveis nesse momento. Grandes companhias têm maior capacidade para lidar com dificuldades econômicas. Se as empresas da região pensarem dessa forma, promoverão o fortalecimento do comércio local.

10)   Cenário pós crise – Pode parecer algo distante, mas quando essa tempestade passar, será hora de recuperar mercado e quem for mais criativo levará vantagem. Crie novas estratégias para atender adequadamente o seu público quando o pior passar.

*Felipe Avelar é CEO da Finplace (www.finplace.com.br), plataforma que conecta de forma gratuita empresas que precisam de crédito com instituições financeiras. Foi por 10 anos vice-presidente de operações do Grupo Credit Brasil e possui grande experiência no segmento de crédito para PMEs



Website: https://www.finplace.com.br/