Rede de Divulgação


Voltar

Revista RI analisa tendências do mercado de crowdfunding

Com crescimento acima de 450% em captação nos últimos quatro anos, a perspectiva é de que as operações via crowdfunding de investimento atinjam novos recordes,

São Paulo | 08/11/2019

De startups tecnológicas à pequenas empresas de setores tradicionais com um bom plano de crescimento, a captação via plataforma digital (equity crowdfunding) atinge vários tipos de investidores e é uma porta de entrada também para a profissionalização da governança corporativa. Com crescimento acima de 450% em captação nos últimos quatro anos, a perspectiva é de que as operações via crowdfunding de investimento atinjam novos recordes, pois se firmou como alternativa inovadora para o financiamento de empreendedores que demandam capital para o desenvolvimento de seus produtos e serviços e de diversificação das carteiras. Os dados e análise de mercado constam na matéria de capa da Revista RI de novembro.

"Empreendedores e investidores precisarão de cultura financeira, maior intimidade com investimentos de risco, e governança corporativa para transformar suas ideias em produtos e processos. Amparada por uma rede de investidores-anjos, conscientes e ousados tomadores de risco, a internet é o lugar perfeito para o surgimento de novas startups que representem o verdadeiro potencial criativo de nossa juventude, aliada à profissionalização necessária para encarar novos sócios na empreitada", explica o advogado Carlos Augusto Junqueira, da Cescon Barrieu.

As ofertas são realizadas exclusivamente por meio de página na internet, programa, aplicativo ou meio eletrônico que forneça um ambiente virtual de encontro entre investidores e emissores nos termos da ICVM 588. Existem atualmente 21 plataformas de crowdfunding registradas na CVM - eram 4 em 2016, e 14 em 2018. Através dessas plataformas digitais, investidores adquirem cotas de participação numa determinada empresa, se tornando inicialmente credores para que posteriormente se tornem sócios, podendo receber dividendos ou revender sua participação num momento futuro, com detalhes dependendo do contrato firmado.

A íntegra da matéria e as tendências do mercado de Crowdfunding podem ser confirmadas na nova edição da Revista RI que acaba de ser lançada e já pode ser conferida em sua versão digital: http://www.revistari.com.br/236