Executivos Financeiros - Profissionais de Relações com Investidores devem ter perfil estratégico

Voltar
Veículo: Executivos Financeiros
Data: 29/07/14
 

 
Profissionais de Relações com Investidores devem ter perfil estratégico
 
Pesquisa da Deloitte e IBRI aponta cenário e futuro da profissão de RI
 
O profissional de Relações com Investidores (RI) é um agente importante para a gestão equilibrada das expectativas dos diferentes públicos de interesse das empresas, bem como para a geração e preservação de valor junto aos acionistas e ao mercado. Esta é a principal conclusão do estudo "Comunicação com o mercado - Alinhamento estratégico para criação e preservação de valor", realizado com a participação de 104 executivos ligados à área pela Deloitte em parceria com o IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores).
 
No entanto, de acordo com o resultado do estudo, o papel do RI ainda é visto mais como comunicador (46%) do que estrategista (29%), mesmo esses profissionais atuando fortemente junto à liderança e ao Conselho de Administração. Esse indicador é reflexo de um processo de mudança ainda em curso quanto à percepção do perfil do profissional de RI. Se, no passado, tinham funções operacionais e de comunicador, atualmente as novas demandas exigem cada vez mais do RI um perfil estratégico na interlocução com diversos públicos e investidores.
 
Bruce Mescher, sócio-líder da área de Auditoria para Serviços Integrados de Finance Transformation da Deloitte, afirma que a tendência é de consolidação do papel de estrategista, o que valoriza a função do profissional de RI. "Ele não deve apenas se preocupar com uma comunicação ágil com o mercado periodicamente. Deve ter uma visão mais integrada e estratégica sobre os objetivos e o potencial da organização, conhecendo profundamente o negócio, sua estratégia e seus direcionadores de valor", explica o executivo.
 
Essa nova realidade estratégica do RI está se refletindo no perfil dos profissionais e nas suas próprias estruturas. A formação do profissional é ampla, mas focada na área de negócios - notadamente Administração de Empresas (33%) e Economia (29%). Entre os entrevistados, 65% destacaram ter iniciado a carreira na área financeira.